Ataque ao Telegram Messenger deixa os usuários suspensos

0

Usuários de Telegram em certas partes do mundo tiveram problemas para trocar mensagens através do serviço nos últimos dias.


Os problemas foram causados ​​por um ataque distribuído de negação de serviço visando os servidores do Telegram.

A interrupção do serviço afetou os usuários principalmente nas Américas do Sul e do Norte, embora os problemas de conexão também estivessem presentes em outras partes do mundo.

Em um anúncio no Twitter, a Telegram informou que seus servidores hoje eram alvo de um ataque DDoS implantado por uma rede de computadores comprometidos.

O botnet enviava tanto tráfego inútil para os servidores do Telegram que eles não podiam mais lidar com as solicitações de usuários legítimos, levando a conexões instáveis.

Segundo a Downdetector , um site que rastreia em tempo real as interrupções e interrupções que afetam vários serviços digitais, os pontos críticos para o impacto do ataque DDoS foram na Costa Leste das Américas, no Reino Unido, Holanda, Alemanha, Ucrânia, Rússia. e a China.

No entanto, os usuários em outros locais também foram afetados, pois algumas pessoas na Austrália relataram problemas com o carregamento de conteúdo de vídeo.

Enquanto alguns usuários especularam sobre quem poderia estar por trás do ataque dizendo que este poderia ser o trabalho de hackers brasileiros, o governo russo ou o chinês, Telegram esclareceu que o principal traço de um botnet é que ele é formado por computadores comprometidos localizados em qualquer parte do mundo.

Mesmo que fossem de uma região específica, isso não indica necessariamente que o invasor também é desse local. Além disso, existem serviços DDoS que alugam energia de botnet, para que qualquer pessoa no mundo possa implantar um ataque contra um alvo

Depois de explicar na moda do ELI5 o que é um ataque DDoS e o efeito que ele tem, o Telegram assegurou a seus usuários que seus dados permaneciam seguros.

No momento, a situação é estável e os usuários não devem mais ter problemas ao usar o serviço de mensagens Telegram.

Em março de 2018, a Telegram ostentava uma base de 200 milhões de usuários ativos, com mais acessos à plataforma, já que outras alternativas de mensagens instantâneas sofriam problemas de conexão.

Por exemplo, o fundador do serviço Telegram, Pavel Durov, anunciou em março de 2019 que três milhões se registraram na plataforma em um período de 24 horas. O horário da declaração coincidiu com as interrupções do Facebook, WhatsApp e Instagram.

Atualização [13.06.2019]: Pavel Durov disse no Twitter que os endereços IP de ataque vinham principalmente da China.

“Historicamente, todos os DDoS do tamanho de um ator estatal (200-400 Gb / s de lixo) que experimentamos coincidiram no tempo com os protestos em Hong Kong (coordenados em @ telegram ). Este caso não foi uma exceção”, disse o fundador da Telegram.

Em termos contextuais, as pessoas em Hong Kong protestam desde domingo contra um controverso projeto de lei de extradição que permitiria que suspeitos fossem enviados para a China continental para julgamento. A votação do projeto foi marcada para quarta-feira, mas as manifestações em massa forçaram o adiamento para sexta-feira. Parece que uma votação não será realizada amanhã, amanhã, quando os protestos forçaram o governo e os prédios legislativos a fecharem as portas.

Líderes de protesto pedem uma nova manifestação em Hong Kong no domingo.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here