Como esse aplicativo está salvando vidas e combatendo a pobreza em Londres

0

O aplicativo “Giving Streets” funciona assim: abrir a câmera do celular, escanear – fotografar – o código QR que te leva a um site e, doar a quantia que quiser.


Os moradores de rua de Londres já não recebem esmolas dos pedestres. “Não tenho trocado”, ouvem. E, embora soe como uma desculpa, é realmente o reflexo de uma sociedade na qual quase ninguém mais anda com dinheiro no bolso.

Mas, e se a tecnologia permitisse que este coletivo pudesse continuar recebendo doações sem que os transeuntes precisem ter dinheiro na mão?

Agora, isso é possível com um smartphone e um código QR, graças à espanhola Irene López e sua equipe, que desenvolveram o “Giving Streets”, um aplicativo que será lançado na capital britânica em setembro.

“O futuro do dinheiro é virtual”, disse López em entrevista à Agência Efe, “e nós não podíamos olhar para outro lado enquanto havia pessoas que estavam sendo excluídas de uma realidade na qual é cada vez mais difícil ser espontâneo na hora de dar donativos”.

Diante deste cenário e a fim de fomentar uma sociedade sem dinheiro mais inclusiva, o projeto “Giving Streets” surgiu há dois anos, quando esta socióloga industrial e seus companheiros se deram conta de que este era um “problema global” que ficava mais evidente em países como o Reino Unido, o terceiro do mundo com menos dinheiro em espécie.

Para López e sua equipe, a solução para esta exclusão social estava na tecnologia, nos aplicativos e, especificamente, nos códigos QR (Quick Response – Resposta Rápida), que são códigos de barras bidimensionais que, ao serem escaneados, dão acesso imediato a seu conteúdo.

“Optarmos por este formato ao invés de pagamentos ‘contactless’ transforma a iniciativa em um projeto muito mais sustentável, flexível e barato, pois não dependemos de nenhum terminal com hardware que precisa de conexão com a internet e que consome energia”, explicou López.

O “Giving Streets” começa com uma fórmula que é muito simples: abrir a câmera do celular, escanear – fotografar – o código QR que te leva a um site e, por último, doar a quantia que quiser após fazer um cadastro ou de forma anônima.

Desta forma, é efetuada uma transação virtual que só precisa de dois elementos: um telefone celular nas mãos do doador e um cartão de papel pessoal e intransferível com tal código QR entregue previamente ao beneficiado por uma das organizações beneficentes, hotéis ou entidades associadas ao projeto.

Neste sentido, López destacou a importância destes intermediários, que atuam como canais de distribuição e que se encarregam de cadastrar e identificar os moradores de rua que vivem de esmolas, para garantir ao usuário um processo transparente e confiável.”O cartão com o código QR do receptor atua como uma carteira digital na qual o dinheiro doado vai sendo acumulado e essa quantia virtual pode ser trocada depois, por exemplo, por comida em um supermercado ou por uma noite em um hotel”, detalhou López sobre o procedimento do “Giving Streets”, que, em nenhum caso, inclui dinheiro vivo.

Deste modo, elimina-se ao mesmo tempo a barreira digital de acesso a novas tecnologias que existe para os sem-teto, pois estes não têm a obrigação de dispor de um celular para receber uma doação, simplesmente devem ter à sua disposição um cartão de papel.Neste ponto, a espanhola também ressaltou a possibilidade de fazer microdoações “para que os cidadãos com menos recursos ou as pessoas jovens possam transferir cotas pequenas se assim desejarem”.

Além da doação instantânea, o “Giving Streets” também oferece ao usuário um painel de acompanhamento do dinheiro transferido.

“O indivíduo que doa sabe onde vai investir sua ajuda porque recebe uma notificação de onde a esmola foi gasta, um aspecto que gera uma resposta positiva esplêndida e faz o usuário se sentir à vontade doando porque tem informações do destino da sua doação”, comentou López, acrescentando que existem controles que proíbem gastar em álcool, entre outros produtos.

Esta solução moderna só conta com dois inconvenientes, segundo a espanhola, que são a adoção e o financiamento.

A primeira é questão de tempo e, para a segunda, López e sua equipe vão levar o “Giving Streets” na primeira semana de maio a Amsterdã, na Holanda, onde acontecerá a final do concurso “The Chivas Venture”, à qual chegaram após vencerem em dezembro do ano passado o prêmio de empreendedores do ano na Inglaterra.

López é especialmente positiva quanto ao “Voto do Público”, pois espera que várias pessoas visitem o “Giving Streets” para apoiar sua iniciativa antes de 30 de abril e ganhar assim os 100 mil dólares, cerca de R$ 393 mil, desta categoria.

Esta recompensa econômica seria usada no futuro para transformar os cartões de código QR em cadernetas de poupança e ajudar as pessoas sem-teto a pagar um aluguel graças às doações voluntárias.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here