A empresa mostrou seu novo plano de estratégia para os próximos 5 anos no Intel Accelerated


No webcast Intel Accelerated, o CEO da empresa, Pat Gelsinger, apresentou o planejamento estratégico da companhia para os próximos cinco anos. Entre as novidades divulgadas estão o roadmap das próximas arquiteturas e a mudança do nome das fabricações. Com seu novo roadmap, a Intel busca recuperar o espaço perdido para as rivais.

Esqueçam os nomes e letras nos processos de litografia. O Intel 10nm Enchanced SuperFin agora se chamará apenas Intel 7. A empresa abandonará um padrão da indústria de incluir os nanômetros no processo de fabricação. Segundo a própria Intel, esse novo esquema de nomenclatura “mostrará de maneira mais precisa os processos de fabricação através da indústria”.

O Intel 7 (antigo 10 nm Enhanced SuperFin) equiparam os futuros CPUs Alder Lake de 12ª geração, que chegarão no dia 27 de outubro. Segundo a companhia, o Intel 7 terá de 10% a 15% de melhoria em performance por watt comparada a geração anterior. Os processadores Sapphire Rapids, voltado para data centers, também terão essa tecnologia e chegam em 2022.

A arquitetura Intel 4 (que antes era chamada de 7nm) era planejada para 2021, porém, teve que ser atrasada para 2023 devido a problemas na fabricação. A Intel 4 é a o grande pulo tecnológico da empresa, utilizando a litografia de 7nm e Ultravioleta Extrema para a fabricação dos chips. A 14ª geração  Meteor Lake será a primeira fabricada nessa tecnologia. Os CPUs Meteor Lake terão três chiplets conectados pela técnica Forveros. A GPU do Meteor Lake terá 192 unidades de execução (EU), enquanto os atuais processadores possuem 96.

Esse processo fará que a densidade de transistores seja de 200 a 250 milhões por milímetro quadrado. A TSMC tem 171,3 milhões por mm² na sua fabricação de 5nm. O ganho de performance por watt será de 20%. A geração Meteor Lake e Granite Rapids (data center) serão fabricados nessa tecnologia.

Intel 3 é a segunda geração de produtos fabricados em 7nm e chegará somente em 2024. O ganho de performance será de 18% comparado ao processo Intel 4.

CEO da Intel diz que escassez de chips pode continuar por “mais uns dois anos”

Para 2024, a Intel utilizará a tecnologia Intel 20A. O 2A indica a entrada da empresa na litografia de Ångstrom, uma medida menor que o nanômetro. 1 nanômetro equivale a 20 Ångstrom. Essa tecnologia mudará também a arquitetura dos transistores, saindo dos FinFET e entrando no RibbonFET.

A Intel mostrou ainda tecnologia 18A, o passo adiante do 20A. Essa é a última do roadmap para os próximos 5 anos. E também com ela a Intel visa recuperar a liderança do mercado de semicondutores.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here