À medida que a pandemia se espalhou no início do ano passado e as pessoas foram instruídas a ficar em casa.


 

As agências de criação estavam preocupadas que toda a sua forma de trabalhar e a qualidade de sua produção estivessem sob ameaça. Acontece que eles não precisavam ter se preocupado.

Uma nova pesquisa com criativos do Reino Unido feita por The Drum e Adobe descobriu que apenas uma minoria (21%) acha que a produção criativa sofreu como resultado de funcionários que trabalham em casa. Isso surpreendeu os palestrantes que estavam discutindo a pesquisa no Festival de Transformação Criativa do The Drum, durante uma sessão intitulada ‘Vida criativa após o bloqueio’, que se aprofundou nos resultados da pesquisa.

Jordan Mitchell, co-fundador e diretor de cultura da Good Culture, atribui padrões criativos aprimorados às pessoas que têm mais tempo para fazer seu trabalho, já que não estão se locomovendo, além de poderem trabalhar da maneira que melhor lhes convém.

“Dar às pessoas mais autonomia e liberdade fez com que investissem mais no negócio e em sua cultura”, disse ela. “Eles querem trabalhar mais porque você está respeitando seus limites e seu tempo.”

Este ponto sobre como confiar em seus funcionários foi apoiado por Bart Van de Wiele, principal consultor de soluções da Adobe.

“A pandemia forçou as agências de criação a abrir mão, a perceber que você não precisa estar no controle de tudo e que tudo vai ficar bem”, disse ele. “Os resultados estão aí, em projetos criativos a qualidade está aí, e é por isso que a pesquisa mostra que dois terços dos criativos esperam continuar trabalhando em casa mesmo depois que tudo isso acabar.”

O trabalho remoto não funciona para todos

A pesquisa descobriu que a grande maioria dos criativos (85%) gostava de trabalhar em casa. Mais de quatro em cinco (83%) gostaram da maior flexibilidade nos tempos de início e término; mais de dois terços (67%) disseram que foram interrompidos com menos frequência do que no escritório; e menos de um quinto (16%) disse que achava difícil trabalhar bem em casa.

Mas Emily Fox, diretora de criação da Lewis Moberly, observou que o trabalho remoto geralmente era mais difícil para funcionários mais novos.

“Eles não têm necessariamente espaço em casa para trabalhar, nem todos tinham uma boa internet, embora tenhamos tentado corrigir isso”, disse ela.

Ellen Munro, diretora de criação e sócia associada da BrandOpus, concorda. Ela destacou a questão dos funcionários mais novos que precisam aprender com colegas mais experientes: “É muito importante para eles absorverem tanto daqueles ao seu redor; tem sido particularmente desafiador para eles crescer, mas de casa. ”

Van de Wiele também descreveu o desafio de apresentar aos novos funcionários a maneira de trabalhar da empresa durante a pandemia.

“Contratamos muitos novos funcionários no ano passado”, disse ele. “Trazê-los a bordo é uma coisa, mas ter alguém mais experiente para orientá-los em um projeto, mostrar como as coisas funcionam, dizer aonde ir se tiverem dúvidas, isso é mais desafiador. Você não pode bater na porta de alguém e perguntar se tem um minuto. ”

De volta ao escritório?

Essas questões sobre como a cultura é estabelecida e como as necessidades das diferentes pessoas podem ser acomodadas determinarão como será a vida da agência no futuro. A pesquisa descobriu que 67% dos criativos esperam continuar a trabalhar, principalmente em casa, com dias ocasionais no escritório. Outro quarto (23%) espera trabalhar em igual quantidade em casa e no escritório.

“Manteremos nosso estúdio aberto para as pessoas que querem ou precisam estar lá e seremos muito flexíveis”, disse Fox. “Também temos uma grande força de freelancers, então temos a oportunidade de ser um grande estúdio virtual, mas ainda temos nosso espaço físico no centro do Soho.”

Na Good Culture, Mitchell está adotando a abordagem oposta. A agência continuará totalmente remotamente por causa dos benefícios de negócios que obteve.

“Temos mais sucesso do que nunca, temos mais clientes internacionais do que nunca e todos estão muito mais produtivos”, diz ela.

Onde a tecnologia faz a diferença

Claro, tudo isso depende de ter a tecnologia disponível para tornar o trabalho em casa não apenas possível, mas eficaz. A pesquisa descobriu que as áreas em que as pessoas achavam que a tecnologia tinha sido mais benéfica foram relacionamentos cliente / agência (escolhidos por 58% dos entrevistados), consistência da marca quando várias pessoas estão trabalhando em ativos diferentes (47%) e desenvolvimento de propostas (também 47% ) Foi visto como menos útil com a ideação (37%) e o desenvolvimento criativo (36%).

Van de Wiele, da Adobe, acredita que essa divisão é inevitável.

“A tecnologia não substituirá a criatividade – você precisa trocar ideias, mas a colaboração é uma questão completamente diferente”, disse ele. “O ecossistema do design é mais do que apenas os criativos. É todo mundo que precisa usar recursos criativos; cores, logotipos, o último pack-shot ou foto de produto. Disponibilizar tudo isso para todos na empresa para que possam comentar e colaborar, dar melhores briefings e aprovações de projetos, isso será fundamental daqui para frente. ”

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here