O Mercado Livre, a maior empresa da América Latina, com quase US$60 bilhões em capitalização de mercado, anunciou que possibilitará a compra de imóveis utilizando Bitcoin (BTC) na Argentina.


 

Com o objetivo de educar o mercado argentino para a mudança, o Mercado Livre realizou uma webconferência sobre “tecnologia de blockchain e criptomoedas”, que contou com mais de 300 imobiliárias da região.

No momento, 71 imóveis estão disponíveis em uma seção especial do site. Os valores estão cotados em dólares americanos, visto que o Bitcoin e a moeda local não possuem estabilidade o suficiente para serem unidades de conta.

Em comunicado, a empresa afirmou:

“Estamos sempre atentos às mudanças que ocorrem no mercado. O Bitcoin oferece múltiplas vantagens para as operações imobiliárias, tanto para o comprador quanto para o vendedor. Hoje lançamos a seção de criptomoedas dentro do Mercado Livre e, em poucas horas, já são 75 imóveis disponíveis. Esperamos muito mais com o passar dos dias, porque longe de ser uma moda, vemos que é uma tendência que vai se consolidando com o tempo.”

O Mercado Livre e o Bitcoin

A companhia possui um passado amigável em relação ao Bitcoin. O fundador do Mercado Livre, Marcos Galperin, afirmou em janeiro que o Bitcoin é uma reserva de valor superior ao próprio ouro.

Comparar o Bitcoin a moeda argentina, que acumula anos de altíssima inflação, chega a ser covardia. No acumulado de 2020, o país alcançou uma inflação de mais de 30%, ainda assim, inferior ao ano de 2019 que ultrapassou os 50%.

Em meio a instabilidade monetária e política, os argentinos estão adotando o Bitcoin como maneira de proteger seu capital contra políticas monetárias irresponsáveis que empobrecem a população.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here