Cyberstresse: como a tecnologia está mudando nossos cérebros

0

A internet se tornou uma extensão de nossos cérebros e trouxe alguns problemas diferentes.


Um deles é a amnésia digital: a idéia de que confiamos tanto em nossos telefones e outros dispositivos que não conseguimos mais lembrar informações básicas. Outro é o fenômeno do cyberstress, que é como nos referimos à ansiedade que muitas pessoas sentem sobre a segurança cibernética e ao medo de que sejam vítimas.

O cyberstress mudou de um medo abstrato apenas alguns anos atrás para uma preocupação diária. Mega-violações, como a violação de Equifax de 2017 e a violação de Capital One no verão passado, afetaram diretamente centenas de milhões de americanos.

O preço psicológico que essas questões podem ter vale a pena olhar mais de perto, com o objetivo de entender como o setor de segurança pode ajudar as pessoas a construir relacionamentos mais saudáveis ​​com a tecnologia. Ao entender melhor esses problemas humanos, poderemos começar a fazer mais do que apenas proteger redes e dispositivos e ajudar a criar um futuro em que todos possamos obter todos os benefícios da tecnologia sem experimentar tantos efeitos colaterais negativos.

Amnésia digital

Em 2015, a Kaspersky pesquisou como a Internet e os dispositivos conectados estavam transformando a vida cotidiana das pessoas. Descobrimos que nossa crescente dependência da tecnologia para armazenar conhecimento estava nos tornando incapazes de lembrar algumas informações realmente básicas.

Então, em 2019, fizemos a pesquisa novamente e descobrimos que o problema é ainda pior. Apenas 60% das pessoas pesquisadas conseguem se lembrar do número de telefone de outras pessoas importantes sem procurá-lo no telefone, uma queda de 10% desde a primeira vez que fizemos o estudo.

Com as pessoas se tornando ainda mais dependentes de seus telefones, você pode esperar que isso signifique que eles se esforcem mais para protegê-las. Infelizmente, não é esse o caso. Apenas cerca de metade (52%) dos consumidores protege seus dispositivos móveis com uma senha e menos de um quarto (24%) disse que usa uma solução de segurança em seus dispositivos.

Cyberstress

Uma razão pela qual as pessoas podem não querer se preocupar em proteger seus telefones é que isso as estressa. Nossa pesquisa também descobriu que as pessoas estão sentindo níveis sem precedentes de estresse em proteger seus dados pessoais contra ameaças online.

Especificamente, as pessoas estão estressadas com as senhas – 3 em cada 4 pessoas nos disseram que o número de senhas que precisam gerenciar as causa.

Eles também estão preocupados com violações de dados. Sessenta e oito por cento das pessoas pesquisadas nos disseram que as notícias de violações de dados causavam estresse e por boas razões: 34% dos americanos disseram que, no ano passado, seus dados digitais foram comprometidos em uma violação.

Infelizmente, esse estresse não parece ter um impacto positivo nos hábitos de segurança cibernética. Trinta por cento das pessoas ainda usam as mesmas senhas para a totalidade ou a maioria de suas contas on-line, um número que salta para 44% entre as crianças de 16 a 24 anos. Além disso, pouquíssimas pessoas – apenas 11% – dizem estar dispostas a usar um gerenciador de senhas para facilitar tudo.

Uma nova maneira de falar sobre segurança

Então, como você ajuda as pessoas que entendem que suas vidas se tornam cada vez mais dependentes da tecnologia e estão preocupadas com o fato de serem mais vulneráveis ​​às ameaças cibernéticas, mas ainda não querem fazer muito a respeito?

Uma idéia é começar a falar sobre isso de maneira diferente. Hoje em dia, o autocuidado, o bem-estar e o gerenciamento de estresse são tópicos importantes, e pode fazer sentido incentivar uma melhor higiene de segurança, colocando-a nesses termos. Os psicólogos nos dizem que existe um “bom estresse”, que pode ajudar a motivar, criar resiliência e incentivar o crescimento. Devemos incentivar as pessoas a assumir o controle de suas vidas digitais, alcançando um nível mais saudável de cyberstress.

Também podemos mudar de focar apenas a segurança cibernética para o conceito mais amplo de imunidade cibernética. Isso deve envolver coisas como ajudar a criar sistemas conectados seguros por projeto e tentar garantir que estabelecemos padrões mais altos do setor que garantam que a segurança não será mais tratada como uma camada complementar opcional no final.

Agora, as pessoas estão plenamente conscientes de que as violações de dados são um fato da vida; então, como as ajudamos a operar com confiança nesse mundo? Pode haver muitos riscos, mas a tecnologia também faz grandes coisas, como nos conectar através de plataformas e fronteiras e nos ajudar a colaborar. Então, precisamos fazer mais do que apenas proteger dispositivos; trata-se de desenvolver um ecossistema digital onde tudo é seguro. Se coletivamente construirmos nossa imunidade cibernética, podemos ajudar as pessoas a estabelecer um melhor relacionamento com a tecnologia, de modo que não cause tanto estresse ou esquecimento.

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário!
Please enter your name here